• 5 restaurantes diferentes que valem a visita

    Nada como conhecer um novo restaurante, experimentar uma culinária diferente e aproveitar alguns momentos de relaxamento e descontração. Algo que parece simples pode se tornar uma experiência incrível, dependendo do local que você escolher para conhecer. Em nossa News de hoje, separamos 5 restaurantes com design diferentes espalhados pelo mundo. Vale a pena conhecer e dar esse presente ao paladar e à visão!
    1.       The Jane Restaurant
    Na Bélgica, uma antiga capela de um hospital militar foi transformada em um restaurante de design bem contemporâneo e que prioriza a experiência do cliente. Uma das características mais marcantes é que boa parte dos elementos do ambiente original foram mantidos, sendo reformado apenas o essencial para garantir a funcionalidade. Sendo assim, o restaurante ganha uma atmosfera gótica mesclada à modernidade.
    Onde antes era o altar foi colocada a cozinha, fazendo com que o espaço ganhe um ar de “santidade”. É toda revestida em vidro para que os clientes possam acompanhar o que está sendo feito. Ênfase para o lustre de 800 kg, 12 metros e mais de 100 lâmpadas.
    2.       Ali Barbour’s Cave Restaurant
    A prova de que fenômenos da natureza podem ser aproveitados pela arquitetura e design. O restaurante Ali Barbour’s Cave, no Quênia, fica em um conjunto de câmaras interligadas a uma profundidade de 30 metros. Estima-se que essa estrutura natural já exista há cerca de 180 mil anos, mas há 30 foi transformada em restaurante.
    Foram colocados o piso de pedras, móveis, acessórios e iluminação, o restante é mantido exatamente como as câmaras naturais foram encontradas. Inclusive, há buracos naturais no teto da caverna com vista para o céu que foram preservados, mas com uma cobertura deslizante que protege os clientes em dias de mau tempo.
    3.       Ithaa
    Um dos restaurantes mais exóticos do mundo fica nas Ilhas Maldivas, é o Ithaa, localizado a cinco metros de profundidade na costa de uma ilha. Protegido por uma camada de vidro, ao redor do espaço fica simplesmente o oceano! Enquanto faz sua refeição, o cliente pode admirar livremente (e de forma segura) a paisagem marinha e como se comportam os animais que fazem parte dela. Não é a toa que o Ithaa já foi eleito como restaurante mais bonito do mundo todo pelo New York Daily News.
    4.       Romita Comedor
    Na colônia Roma, no México, o restaurante Romita Comedor se destaca pelo projeto de arquitetura e interiores que mescla bem o estilo industrial com alguns toques clássicos aplicados pontualmente. A vista é totalmente panorâmica, com grandes janelas de vidro e coberturas que também podem se abrir para a paisagem. Do lado de dentro, tons de cinza e marrom predominam, sendo quebrados pelo verde das plantas que compõem o decor. 
    É um ótimo local para apreciar a culinária mexicana e os coquetéis que são especialidade da casa, especialmente em um dia bonito de sol!
    5.       Ammo Restaurant
    Mais uma prova de que espaços que deixam de ser utilizados podem ganhar um novo conceito. O restaurante e bar Ammo fica na China, em Hong Kong, e funciona onde antes era um complexo militar. Inclusive, o projeto mantém o tom militar chic, inspirado no filme noir Alphaville, de 1965. O cobre é utilizado em todo o interior do restaurante, o que lhe garante um ar sofisticado e que faz referência ao estilo militar ao mesmo tempo. O clima futurista toma conta, fazendo com que os clientes se sintam distantes de tudo por alguns momentos.

    13 / 07 / 2018
    Leia Mais >
  • Decoração Hygge em 5 passos

    Tendências de decoração vindas da Escandinávia estão se tornando mais comuns. O estilo de vida praticado na Suécia, Dinamarca e Noruega inspira pessoas ao redor do mundo todo! E não é para menos: no ano passado, a Noruega foi apontada como o país mais feliz do mundo, o que significa que os hábitos praticados por lá estão funcionando!
    O must have do momento é o Hygge, conceito que preza pelo aconchego e que, muito mais do que uma moda passageira, é uma atitude. Saiba tudo sobre ele e como levá-lo para dentro de casa.
    O que é o estilo Hygge?
    O termo Hygge não tem uma tradução literal para a Língua Portuguesa, mas a sua essência é priorizar o aconchego e o bem estar na rotina do dia a dia. Esse é um estilo originalmente dinamarquês e surgiu da necessidade de criar espaços confortáveis e aquecidos para que as pessoas encarassem as baixas temperaturas do país, afinal, na Dinamarca, o sol aparece poucas horas por dia.
    Veja abaixo algumas características do estilo Hygge na decoração.
    Luz natural
    Na Dinamarca, a luz do sol é escassa, por isso, a ideia é aproveitá-la o máximo possível. Entradas que valorizem a luz natural são muito bem vindas, porque vão ajudar a deixar os ambientes mais aquecidos e com uma iluminação bem convidativa.
    Decor intimista
    Um dos pilares dessa tendência é fazer com que a casa seja a cara dos moradores. Por isso, utilizar quadros com fotos da família ou de viagens é muito importante. Aliás, objetos trazidos de viagens também funcionam bem, porque além de decorarem também têm uma ligação emocional com a família que vive na casa.
    Tecidos pesados
    Na Dinamarca faz muito frio, por isso, tecidos pesados e bem quentes como a lã são ótimas opções para compor mantas que serão colocadas sobre a cama ou sofá. Tapetes mais encorpados seguem essa mesma linha. Para quem mora em regiões onde o inferno não é tão rigoroso, essa dica pode ser adaptada com tecidos naturais e de texturas mais macias, mesmo que não sejam tão quentes.
    Cores neutras
    A paleta de tons neutros deve prevalecer se a ideia for apostar no estilo Hygge, até porque, ajudam a valorizar a própria luz natural. É importante ressaltar que o ambiente não deve ficar frio, para isso, as cores neutras precisam ter um fundo aquecido, como o bege, por exemplo.
    Muita madeira
    Ambientes em estilo Hygge recebem muito bem materiais naturais, especialmente a madeira. A ideia é levar para dentro de casa algo que remeta à natureza, para ampliar a sensação de bem estar. No caso da madeira, especificamente, a textura e cor dela servem como mais uma ferramenta para deixar o espaço aquecido.

    02 / 07 / 2018
    Leia Mais >
  • Casa para os millennials: como a nova geração gosta de morar?

    A geração Y, mais conhecida atualmente como millennial está no centro das discussões sobre comportamento e consumo. Há um consenso de que os millennials são aqueles que nasceram entre 1980 e 1995, embora alguns considerem até os nascimentos do início dos anos 2000. Independente disso é uma geração jovem, influente, inquieta, plural e sempre em busca de novidades.
    E em relação à moradia, como os millennials se comportam e o que esperam? 
    Imóveis menores e mais bem localizados 
    As prioridades da geração mais jovem são outras: preferem investir em imóveis menores, mas que sejam bem localizados, em regiões centrais e de fácil acesso ao trabalho e serviços. Os millennials prezam pela mobilidade e praticidade, por isso não fazem questão de uma casa ou apartamento de grandes dimensões. 
    Espaços otimizados 
    Mesas e camas que tenham gaveteiro embaixo, bancos compridos no lugar das cadeiras da mesa de jantar (inclusive, bancos que podem ser colocados embaixo da mesa), gavetas suspensas, marcenaria sob medida... Tudo que otimize os espaços e amplie as áreas de circulação é bem vindo. Os millennials tendem a não gostar de armários muito grandes, porque pesam em ambientes menores. 
    Peças de destaque
    A geração Y gosta de expressar a sua individualidade também na moradia. Para isso, obras de arte incorporadas ao decor funcionam muito bem. Compor uma parede inteira destinada a isso é uma ótima ideia: uma combinação de quadros ou de gravuras com molduras diferentes, dependendo do estilo de cada cliente. 
    Leveza
    É um público que tende a gostar de espaços mais leves, limpos, apenas com peças essenciais. Projetos que priorizem a entrada de luz natural se encaixam bem nessa proposta.  Mix de estilos
    Os millennials são uma geração plural e desconstruída, por isso, misturar estilos diferentes, mas que dialoguem entre si é uma boa alternativa. Peças de épocas distintas formam ambientes originais e cheios de personalidade, do jeito que eles gostam! Por exemplo: uma mesa de centro industrial à frente de um sofá com almofadas de estampas geométricas. 
    Móveis com mais de uma função
    Ainda dentro da ideia de otimizar os espaços, móveis que tenham mais de uma função ou cujo formato possa ser aumentado ou diminuído são bem recebidos pela nova geração. Um banco que funcione como mesa de centro para servir petiscos, por exemplo. Móveis modulados, que podem ser organizados de diferentes formas também são interessantes.  

    15 / 06 / 2018
    Leia Mais >
Mais News